quarta-feira, 16 de março de 2011

segunda-feira, 14 de março de 2011

Comunicado : Tumba do Capitan Carrero


Ante a iniciativa do Concelleiro Eudosio Álvarez do BNG responsable do departamento municipal de Patrimonio Histórico de realizar visitas guiadas no Cemiterio de Pereiro, Nova Esquerda Socialista queren preguntar:

1.- Na visita polo cemiterio parásese o guía cos visitantes ante a tumba do Capitán Antonio Carrero quen proclamo a lei marcial o 20 de xullo de 1936 na Porta do Sol. Dirase que foi este Capitán o xefe do pelotón que fusilo ao alcalde democrático de Vigo, Martínez Garrido e a varios miles de veciños.?

2.- Dirase que ese mausoleo que se construíu ao Capitán Carrero e onde están enterrados dous militares franquistas, está nunha das mellores localizacións do cemiterio e é de propiedade municipal, pertencendo ao patrimonio de todos os veciños.?

Por iso solicitamos:

Ante esta situación de ocultación da historia e incumprimento coa Lei da Memoria Histórica solicitamos ao responsable político do Concello de Vigo o Señor Abel Caballero e ao seu equipo de goberno, que faga cumprir a Lei da Memoria Histórica.
Ante esta situación de constante prevaricación, solicitamos que os restos dos asasinos enterrados en devandito monumento funerario franquista, sexan entregados aos seus familiares ou depositados no osario común do cemiterio.

Que dito espazo municipal destínese para honrar aos loitadores vigueses que deron a súa vida pola liberdade e a democracia.


Lois Pérez Leira
Candidato a Alcalde de Vigo

quinta-feira, 3 de março de 2011

Caballero reparte cojines por todo Vigo con el logotipo de «Alcaldía»



La última apuesta publicitaria del alcalde vigués tiene forma de cojín. De color rojo y con el logotipo de «Alcaldía» impreso, los almohadones se reparten gratis por toda la ciudad desde el pasado fin de semana. Es más, el teléfono de información municipal no tiene inconveniente en facilitar el horario y los puntos en los que se distribuyen esta semana hasta finalizar existencias. De 11 a 13 horas en las avenidas más transitadas del casco urbano, inmediaciones de los mercados municipales y de centros comerciales.


Pero lo que pretendía presentarse como un gesto de generosidad del alcalde hacia los ciudadanos se vuelve día a día en su contra, hasta el punto de convertirse en un motivo de polémica y quejas. Al parecer, la forma poco equitativa en que se lleva a cabo el reparto ha provocado tumultos y enfrentamientos entre los vecinos, quienes critican que unos se lleven cuatro almohadones, mientras que otros se van con las manos vacías.

Los cojines son repartidos por grupos de jóvenes, quienes al mismo tiempo entregan un folleto en el que se pide a los vigueses que mantengan limpia la ciudad y se sientan en ella como en casa. Pero en algunos de los puntos se ha detectado también la presencia de otras personas que al mismo tiempo reparten propaganda del PSOE en contra de la Xunta, de Feijoo y del nuevo hospital de la ciudad.



Dimisión

El candidato a la alcaldía de Vigo por Nova Esquerda Socialista, Lois Pérez Leira, da fe de lo sucedido a través de fotografías en las que aparecen ciudadanos cojín en mano y recogiendo el panfleto del PSOE al mismo tiempo. Exige la dimisión de los responsables de la campaña «por inmorales y malversación de fondos públicos».

Al margen de advertir sobre los problemas causados por el reparto y la falta de control policial, Leira denuncia «la actitud vergonzante del alcalde Abel Caballero, utilizando fondos públicos», y exige que se abra una investigación por esta acción electoral «ilegal e inmoral». Pérez Leira solicita que se constituya una comisión municipal para sancionar a los responsables de estos hechos. Quiere saber cuánto se gastó en la compra de estos almohadones y quién paga a las personas que los reparten. El candidato de Nova Esquerda Socialista critica que mientras el alcalde «gasta fortunas» en cuestiones electorales o en plantar olivos, el Concello de Vigo carece de un servicio adecuado de asistentes sociales. Así, cita la prestación de la risga para personas necesitadas, que tarda seis meses en gestionarse por carecer de personal suficiente.



Los cojines solo forman parte de la larga lista que Caballero ha ido confeccionando a lo largo de su mandato con elementos a los que se ha impreso el logotipo de «Alcaldía». En ella figuran desde camisetas del equipo de fútbol veterano del Celta, a todas las vallas de obras, bancos y hasta plantas de Navidad.

 
Fuente: http://www.lavozdegalicia.es/vigo/2011/03/03/0003_201103G3P4991.htm?utm_source=buscavoz&utm_medium=buscavoz

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Manifesto Municipais



“Dentro da fronte única cada cal debe conservar a súa propia filiación e o seu propio ideario. Cada cal debe traballar polo seu propio credo. Pero todos deben sentirse unidos pola solidariedade de clase, vinculados pola loita contra o adversario común, ligados pola mesma vontade revolucionaria e a mesma paixón renovadora. A variedade de tendencias é inevitable nesa inmensa lexión humana que se chama proletariado. É o sinal dun período avanzado do proceso revolucionario.”







Fragmentos da mensaxe pronunciada por José Carlos Mariátegui no acto do 1 de maio de 1924.





Chamamento unitario.



Os abaixo asinantes queremos facer un chamamento aos partidos e organizacións de esquerda de Galiza co fin de que se dean os pasos necesarios para iniciar un proceso de construcción alternativa e unitaria da esquerda galega. É necesario confluír nun novo espazo común de todos os sectores que defenden o dereito da autodeterminación de Galiza. As próximas eleccións municipais poden ser un escenario propicio para ir dando pasos unitarios, presentando candidaturas de esquerda. O exemplo de Cangas a través de Alternativa Canguesa de Esquerdas, pode ser un camiño a seguir onde se conxuga o traballo político-electoral e a loita de clases.





Por un acordo unitario, de esquerdas, republicano e socialista.


Luis Pérez Leira, escritor.

Xerardo Abraldes, Ex Secretario Comarcal da CIG de Vigo.

Xosé Manuel Graña Garrido, Medico, ex -Serectario Xeral de Esquerda Republicana de Galiza.

María do Tránsito Fernández, sindicalista da CIG.

Virginia Ramírez, Feminista e intelectual. Directora da Escola de Cine de Galicia.
Xoan Campos Ruiz, Comité de Empresa NOVACAIXAGALICIA (CCOO)

“Sarga” Da Silva, Músico, afro-brasileiro

Manuel Vilavoa Toucedo, cofundador de CCOO en Galiza.

Antón Santamarina Delgado, poeta, fundador das Mocedades Galeguista da Arxentina.

Isabel Soto, filla del líder sindical Antonio Soto ( Punta Arenas)

Edmundo Moure, escritor (Santiago de Chile)

Gerardo Fernández, militante social.

Edmundo David Reboredo Torea, militante antifranquista.

Juan Carlos Merlo, Ex xogador de Fútbol do Deportivo da Coruña.

Alfredo Gabela, fillo de Carmen Arias a galega que crio ao Che.

Maria Casariego Gainza, Sicóloga.

Dr. Lic. Abelardo José Castelao, abogado familiar de Rodríguez Castelao.

Higinio Martínez Estévez, (profesor de galego, membro de AGAL).

Alfredo Retamoso. Traballador.

Ramón Maceiras López, consultor en comunicación, ex militante do BNG.

Federico Fernández Ackermann, Ex integrante do DRIL participante do comando que asaltou o Trasatlántico “Santamaría”. Venezuela.

Xosé Chacón Benítez, Productor artístico.

Melba Berrios Cruz, traballadora.

Manuel González Cruces, musico-gaiteiro. ( Vilagarcia).

José Luis Marcheto, arquitecto (Vilagarcia)

Fernando Vilavoa Martínez, Editor.

José Miguel “Pucho” Gómez Millán, (militante da memoria do 36).

Franklin Méndez, artista plástico.

Santiago Sandoval, estudante de cine.

Rafael Cuadrado, empregado

Francisco Maquieira, directivo da Asociación Galega de Ituzaingo - Arxentina.

Manuel González Santalla, militante de esquerda.

Daniel Ponzo, xornalista.

Graciela Calvelo, xornalista.

Carlos Comesaña Costas, Xubilado.

Susana Martínez, (Profesora de Historia-Arx.)

Maximino Banga González, empregado.

Maria del Carmen Torres Torres, Libreira.

Manuel Otero Lago, Militante da CIG do metal.

Juan José Vilas, Afiliado da CIG.

Luis Hatuhey Piña Castiñeira, Integrante da Memoria do 36.

Aníbal Rivadulla, Empregado (Compostela).

Graciela Alba Burgos, militante da CIG.

Manuel Vázquez, Poeta.

Claudio Fabián Gonda Contreras, (Italia)

Liliam Pompey, Abogada.

Oscar Alba Burgos, desempregado.

Emilce Vera Silguero, Traballadora.

Gustavo Maradini, abogado.

Daniel Casas Núñez, Cociñeiro (Barcelona)

Ricardo Cuadrado, militante comunista (arxentina).

Alicia Sofía Hambra Romano, militante comunista.

Antonio José Arruti Baqueiro, Coordenador Xeral do Movemento de Liberación dos Sim Terra (Brasil) integrante da corrente do PT Brasil Socialista.

Xaime Rodríguez, Militante do MAS Boliviano, traballador do conxelado en Vigo.

Salvador Clavería, Xubilado.

Herminio Antas, Emigrante retornado.

Nicolás Castiglioni Cornes, fillo de desaparecido galego na Arxentina.

Oscar Gil Gómez, Desempregado.

Felipe Díaz, Traballador do metal, integrante do coletivo xitano.

Xoel Novoa, Escultor.

Maria Delia González Reale, Xubilada.

Sandra Corina Vergara Rojas, Vendedora ambulante.

Carlos Carminati Pérez: Comercial.

Alfonso Taboada, Desempregado.

Raúl Rosendo, xubilado.

Ernesto de Jesús Estévez Torres, Traballador da hosteleria.

Julia Fermín Abreu, Traballadora de fogar.

Alfredo Vergara Vello, Vendedor ambulante.

Juan José Fernández Ageitos, Integrante da Asociación de Taxistas da Capital Federal (arxentina).

Guillermo Somoza, director de teatro. (arxentina)

Luis Fernández Ageitos, ( Secretario xeral sindicatos de Taxistas Capital Federal Arxentina).

Alberto Teodomiro Rodríguez de Miguel, Dirixente do Sindicatos de Taxista de Capital Federal (arxentina).

Alfredo Carlos Viña, militante comunista.

Néstor Walter Astray, Desocupado.

Hilda Herminia Mígueles, Militante comunista

Amelia Mígueles. Militante comunista

Ricardo Julio Pereyra, Militante comunista.

Marta Pallares, Militante comunista.

Carlos Pronzato Codecido, Director de cine. (Brasil).

Juan Bouzón, Solidariedade con Cuba. (EEUU).

Hilda López Pereyra, Loitadora dereitos humanos (Barcelona).

Lilian Gayoso, neta do lider sindical anarquista galego Florindo Gayoso (arxentina).

Claudio Fernando Huerta Allende (Chile).

Elba Torres, poeta (Redondela)

Sara del Carmen López Casanova, empregada de fogar







Por unha Republica Galega e Socialista.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Chávez desafia oposição para um novo referendo revogatório

oposição a submetê-lo a um novo referendo revocatório para demonstrar se na verdade sua administração perdeu ou não apoio nos últimos meses.

Mantenho o desafio de que repitam o referendo, disse Chávez ao programa Contragolpe, da Venezuelana de Televisão. O chefe de Estado questionou dessa forma as versões da oposição que apresenta estatísticas sobre o suposto mau andamento do governo quanto ao respaldo popular.

Superando dificuldades


Citou inclusive um artigo de uma revista colombiana, segundo o qual, "o mal-estar social fez com que a popularidade do presidente caísse para 40%, o ponto mais baixo desde que tomou o poder. Se isto é assim e a oposição tem maioria por que não convocam um referendo revogatório? Não teriam que estar esperando anos, em três meses já não estaria mais aqui”.

O governante ofereceu essas considerações por ocasião do sexto aniversário de sua reafirmação com a vitória no referendo de 2004, quando 60% dos venezuelanos rechaçaram a campanha da oposição para tirá-lo da presidência e votou a seu favor.

Foi como um baque para a oposição, afirmou. De acordo com o presidente, o Executivo soube enfrentar as dificuldades dos últimos anos, entre as quais citou a queda da produção petroleira e os preços do petróleo, a crise econômica internacional e dificuldades de geração de energia elétrica no país.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Cuba: Obama não faz esforços de aproximação


O ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, reiterou nesta quarta-feira (27) que o Governo de Barack Obama não dá passos fundamentais para melhorar as relações com a ilha, apesar de ter reduzido a "retórica anticubana" e eliminado algumas restrições para viajantes.


Segundo Rodríguez, Obama não utiliza as "prerrogativas" que tem para aliviar o embargo comercial e financeiro a Cuba sem que a iniciativa passe pelo Congresso americano. As declarações do ministro foram feitas em Havana, na abertura de um encontro de cubanos que vivem em outros países e são favoráveis ao Governo do general Raúl Castro.



No evento, Rodríguez lembrou que as questões "essenciais" para a melhoria das relações entre Cuba e Estados Unidos são o fim do bloqueio, a retirada da ilha da lista de países que apoiam o terrorismo, a revogação das leis americanas que estimulam a emigração ilegal de cubanos e o fim do apoio à dissidência interna.



O chanceler cubano também pediu o fim das transmissões de rádio e TV dirigidas à ilha e a libertação de cinco agentes cubanos presos nos EUA por espionagem.



Para o ministro, apesar de as partes terem reatado as negociações sobre assuntos migratórios e para o restabelecimento do correio direto, os EUA ainda não desistiram de destruir a revolução cubana liderada pelo agora ex-presidente Fidel Castro.



Segundo Havana, cerca de 450 cubanos procedentes de 42 países, a metade deles dos EUA, participam do Encontro de Cubanos Residentes no Exterior contra o Bloqueio, em Defesa da Soberania Nacional, que vai até sexta-feira.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Evo: industrializar, atacar pobreza e apurar fortunas suspeitas





Morales apresentou planos para impulsionar a partir de 22 de janeiro, quando assumem os 110 legisladores que o Movimento ao Socialismo (MAS) terá na Assembléia Legislativa Plurinacional. São mais de dois terços dos 166 totais.

"Há dois temas capitais que o governo deve cumprir: a industrialização, para que deixemos de produzir e exportar só matérias-primas como hidrocarbonetos e minérios, e a justiça social, que se resume numa luta frontal contra a pobreza", afirmou Evo

Descontraído e bem-humorado, Morales disse que dormiu mal por uma dor de estômago que se arrastava por dias. Ele não disse se era o nervosismo das eleições. E descartou a possibilidade de apresentar-se a um terceiro mandato, que seria de 2015 a 2020, ainda que tenha dito que a Constituição permitiria que concorresse.

Morales foi até certo ponto cauteloso, em contraste com a alegria desencadeada por seus partidários, que festejaram a noite toda, apesar da proibição do álcool. O contraste entre a sua vitória esmagadora e o pobre papel da oposição era evidente. "Acho que vencemos em sete dos nove departamentos do país", disse exultante o mandatário.

"Estou muito animado, quero agradecer ao povo boliviano, os diversos movimentos sociais, intelectuais, artistas, caminhoneiros, os dirigentes sindicais, todos e todas. E o meu respeito especial para as Seis Federações do Trópico de Cochabamba, que se mobilizaram em todo o país. Realmente foi um esforço de todo um povo. Esse esforço não será em vão, eu aprendi durante os quase quatro anos como presidente ", disse ele em tom comedido.

Sobre as declarações de seu opositor na disputa, Manfred Reyes Villa, no sentido de que seguiria com a polarização, Morales comentou que, "quando ele disse que há polarização, lamentavelmente só pensa nele mesmo e na direita e não no povo boliviano", ou , quem sabe, sublinhou, "está pensando, como em setembro do ano passado, em tentar um golpe de estado".

"Quando falam que vai haver polarização, se equivocam... Quando falam de narcotráfico, eles próprios estão envolvidos...", disse, rebatendo as críticas a sua política com relação ao cultivo da folha de coca - tradicional entre a população indígena, antes de ser matéria-prima para o refino da cocaína. "De onde vêm todos os bens de Reyes Villa nos Estados Unidos? De onde vem todo o dinheiro dele? Por que o Departamento de Estado não nos ajuda a investigar?", questionou Evo.

A justiça boliviana confirmou que Reyes Villa será ouvido nesta terça-feira como testemunha em um processo sobre a violenta repressão dos tumultos de outubro de 2003, que deixou 65 mortos. Naquela época, o partido de Reyes Villa integrava o governo presidido por Gonzalo Sanchez de Lozada, que fugiu para os Estados Unidos depois dos tumultos.

A convocação de Reyes Villa fora adiada por causa das eleições. O líder da oposição também é acusado de ter cometido irregularidades quando era governador da província de Cochabamba, um cargo que ocupou até 2008.

O convênio entre Bolívia e EUA no combate às drogas foi rompido no primeiro mandato de Morales, em meio a trocas de acusações - de conivência do governo sul-americano com os cocaleiros, por um lado, e de espionagem da DEA (agência americana de repressão), por outro. Ontem, Washington felicitou o rival pela votação "pacífica e ordeira" e manifestou o desejo de "trabalharmos juntos".

Corrupção

Morales destacou que, além do neoliberalismo, outro inimigo dos bolivianos é a corrupção. Ele explicou que propõe um projeto de lei tem como objetivo "investigar as fortunas suspeitas". Ele destacou que a oposição de direita vem barrando esta legislação há quatro anos graças à maioria no Senado.

No entanto, o Movimento Ao Socialismo (MAS) de Morales obteve domingo a maioria absoluta da Câmara alta. Assim, o partido socialista poderá legislar sem problemas já que manteve o controle da Câmara dos Deputados, que exerce desde 2005. Evo lembrou ainda que levantou o seu sigilo bancário nas eleições e desafiou os demais concorrentes a fazê-lo, o que não ocorreu."Os traidores ao processo de mudança e à pátria foram punidos pelos eleitores", disparou.

Ontem, o presidente se reuniu com seu gabinete, com executivos de empresas estatais, com os candidatos eleitos e os futuros candidatos a prefeito e prefeito nas eleições, que será em abril de 2010. Morales anunciou que viajará para Cuba, onde participará da cúpula de aniversário da Aliança Bolivariana para as Américas (Alba), nos próximos dias. O mandatário boliviano também irá a Copenhague para a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP 15), encontro que acontece até o próximo dia 18.

Boas relações com todos

Durante pouco mais de uma hora de entrevista coletiva, o mandatário reiterou seu desejo de manter boas relações "com todos os governos", exceto com o regime de facto de Honduras. Sobre sua relação com países da região, Morales se disse satisfeito com o diálogo mantido com o Chile. La Paz reivindica uma saída para o mar, perdida para Santiago durante a Guerra do Pacífico, travada entre 1879 e 1883.

Além disso, Morales disse que suas divergências com o presidente do Peru, Alan García, não são pessoais, mas ideológicas.Também insatisfeito com as demarcações estabelecidas pela Guerra do Pacífico, o Peru tenta no Tribunal Internacional de Justiça de Haia uma redefinição dos limites marítimos e considera que a reivindicação boliviana pode atrapalhar seus planos.

Sobre o Brasil, o presidente reeleito afirmou que espera ter "um diálogo transparente e sincero" com quem quer que venha a suceder Luiz Inácio Lula da Silva no Palácio do Planalto em 2010. Segundo ele, há uma relação "sincera e fraterna" com Lula, e Brasil e Bolívia sempre manterão o diálogo. "Quando tivermos problemas de mercados e de preços, estaremos prontos para resolver, com o diálogo mais sincero, mais transparente", disse.

"Temos responsabilidades conjunturais e com nossos países. E o diálogo será sempre a via das definições, também na questão dos hidrocarbonetos". Morales disse que "às vezes, é preciso resolver de forma conjunta as demandas e problemas de ambos os países".

Morales contou que, na época da nacionalização dos hidrocarbonetos na Bolívia, logo depois que assumiu a Presidência em 2005, tentou "falar várias com o presidente Lula", "inclusive por meio de seus ministros". "Se apresentou o problema da nacionalização e foi um momento muito duro para o companheiro Lula", recordou. Naquela ocasião, o anuncio afetou diretamente a Petrobras, maior investidora direta na Bolívia.

O presidente boliviano disse que hoje a Bolívia exporta gás para o Brasil e Argentina com "preço solidário" e sugeriu que espera que os mercados vizinhos também sejam acessíveis para a exportação do produto têxtil boliviano. Para ele, os acordos "devem ser de (produtos) complementares" e o produto boliviano deve ter espaço "regional".

Vitória em São Paulo

Na primeira eleição na qual foi permitido que bolivianos que moram em outros países votassem, Morales obteve 95% dos votos válidos depositados em São Paulo, segundo informações do presidente da seção brasileira da Corte Nacional Eleitoral, o jornalista Jorge Gonzales. A apuração das urnas no Brasil mostra que 13.199 bolivianos residentes aqui votaram pela reeleição de Evo, de um total de 13.901 votos válidos. Houve ainda 74 votos em branco e 318 nulos.

O resultado seria enviado à Bolívia, para ser ratificado. No total, estavam inscritos em São Paulo 18,6 mil eleitores. O segundo colocado, Manfred Reyes Villa (PPB-CN), obteve 380 votos no Brasil, e Samuel Dória Medina (UN), 179. Os demais votos se dividiram entre os demais partidos que disputaram a eleição.